terça-feira, 21 de junho de 2011

E tem gente, que não acha o trabalho do professor de escola dominical importante!

Papai, o que é Páscoa?
 Ora, Páscoa é ...bem ...é uma festa religiosa!
 Igual o Natal?
 É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressurreição.
 Ressurreição?
 É, ressurreição. Marta vem cá!
Sim?
Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu poder ler o meu jornal.
Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu?
 Mais ou menos ......Mamãe, Jesus era um coelho?
 Que é isso menino?
Não me fale uma bobagem dessas! Coelho! Jesus Cristo é o Papai do Céu! Nem parece que esse menino foi batizado! Jorge, esse menino não pode crescer desse jeito, sem ir numa igreja pelo menos aos domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensou se ele solta uma besteira dessas na escola?
Deus me perdoe! Amanhã mesmo vou matricular esse moleque na escolinha da Igreja!
Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus?
 É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso lá na escolinha da igreja. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
 O Espírito Santo também é Deus?
É sim.
E Minas Gerais?
 Sacrilégio!!!
É por isso que a Ilha da Trindade fica perto do Espírito Santo?
Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe entende direito. Mas se você perguntar para a  professora , ela explica tudinho!
Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
Eu sei lá! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de presente ele traz ovinhos.  Coelho bota ovo?
Chega! Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais!
Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa? 
 Era, era melhor, ou então urubu.
 Papai, Jesus nasceu no dia 25 de dezembro, né?
Que dia que ele morreu?
Isso eu sei:
na sexta-feira santa.
Que dia e que mês?

Sabe que eu nunca pensei nisso?
Eu só aprendi que ele morreu na sexta-feira santa e ressuscitou três dias depois, no sábado de aleluia.
Um dia depois.
Não, três dias.
Então morreu na quarta-feira.
Não, morreu na sexta-feira santa ......ou terá sido na quarta-feira de cinzas?
Ah, garoto, vê se não me confunde! Morreu na sexta mesmo e ressuscitou no sábado, três dias depois! Como?
Pergunte à sua professora , lá na igreja!
Papai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
É que hoje é sábado de aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
O Judas traiu Jesus no sábado?
 Claro que não! Se ele morreu na sexta!!!
 Então por que eles não malham o Judas no dia certo?
 É, boa pergunta.
 Papai, qual era o sobrenome de Jesus?
 Cristo. Jesus Cristo.
Só?
 Que eu saiba sim, por quê?
Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não acha?
 Coitada!
 Coitada de quem?
 Da sua professora da escola dominical

E AGORA, É IMPORTANTE OU NÃO ?

quinta-feira, 9 de junho de 2011

10 maneiras incríveis de estressar uma professora do ministério infantil.

Você já viu um  professor de escola dominial estressado? E uma professora do ministério infantil, também não?
Então meu amigo este artigo é para você !
Preste atenção nas dicas e decida, por você mesmo se irá utiliza-las ou não!

Obs: Qualquer semelhança das dicas aqui narradas com a realidade é mera coincidência.

1- Chegue atrasado com seu filho na classe.
     Sim, os professores adoram ter recomeçar a lição,1,2,3 vezes. Só, por que você chegou atrasado ou simplesmente esqueceu do horário.
2- Interrompa a aula, apenas, para dar uma olhadinha no seu filho.
     Não tem problema algum, você sair da reunião e ir da uma espiadinha no seu pimpolho. Afinal de contas, é só uma espiadinha a  professora vai entender. E se forem, apenas 4 espiadinhas ela vai entender também. Ora é o seu Guti guti....

3- Faça uma análise pedagógica da metodologia utilizada.
   Professores de uma forma geral, adoram ficar ouvindo e discutindo sobre conceitos pedagógicos. Principalmente, quando as discussões se embasam em referências tiradas de revistas de moda e programas de TV. Faça o teste,  pergunte ao professor do seu filho se ele é sociointeracionista ou conteudista.  Mesmo que você  não tenha a minima ideia do que isso quer dizer . Perguntar não ofende.

4- coloque sua esposa como líder do ministério infantil.
    Essa dica é para você que é Pastor. As professoras do ministério infantil simplesmente acham fantástico, serem lideradas por esposas de pastores que não entendem nada de educação. Claro que você vai dizer: Minha esposa  entende sim, ela cuida dos meus filhos... Bom... cuidar dos filhos da gente é uma coisa... Dos filhos dos outros, é outra coisa... Melhor deixar sua esposa  no louvor...

5- Critique em casa o trabalho dos professores.
     Nada é tão eficaz para estressar professores do ministério infantil e Ebd, como a tática de criticar em casa o trabalho que eles desempenham na igreja.  Principalmente quando isso é feito na frente dos filhos. Você realmente acha que quando você  detona a professora do seu filho em casa, ele vai guarda segredo. você  realmente acredita nisso... Bobinho você heim...

6- Demonstre `aquele` interesse pelas atividades desenvolvidas pelo seu filho na escolinha.
       Repita para o seu filho frases como estas:

       Nossa filho coloriu a arca de noé de novo! Essa é a decima vez . Que beleza...
       Nossa filho que musiquinha linda, vai cantar lá  seu quarto, vai. Daqui dez horas eu vou lar escutar!
       Outro desenhinho , vai mostrar para a mamãe, vai.
       Outro desenhinho, vai mostrar para o papai, vai.
       Puxa, outro desenhinho, deixa ai, vai

 7- Mostre para as professoras que seu filho é uma estrela.
     Nem sempre, os professores do ministério infantil sabem quando estão diante de um futuro astro. Então, cabe a você informa-los. Descreva para eles o currículo artístico do seu filho mostrando dessa maneira, que seria um desperdício se sue filho fica-se na fila de trás do coral, ou que não tivesse um papel maior na peçinha da escolinha.  Afinal, ele já nasceu com uma veia artística, você...

8- Exija coisas simples.
   Não tem problema algum você exigir coisas simples dos professores do ministério infantil. Coisas simples como trocar a fralda do seu filho de seis anos, enquanto você  tranquilimente assiste a reunião. Ora, é tão fácil trocar uma fralda, e além do mais, eles são profissionais preparados. claro, que se você tivesse tempo você mesmo ensinaria o seu filho a usar o banheiro, porém, tudo anda tão corrido, não é mesmo...

9- coloque em check o comprometimento delas.
     Essa é uma dica crucial para estressar uma professora de ministério infantil ou escola dominical. Se você  conseguir fazer com que ela saiba, que você não está satisfeito com o desempenho dela, estará começando bem. Deixe bem nítido que ela não esta se esforçando o suficiente.   Diga a  ela:  Só por que você chega mais cedo, não assisti as reuniões, sai mais tarde e ainda leva trabalho para casa!. Isso não é desculpa para não querer melhorar!,  se puder, cite algum versículo da bíblia que fale de compromisso, antes que ela exploda...

 10- Demore para buscar seus filhos.
   Quando a reunião terminar demore para buscar seus filhos . Antes, converse com alguns amigos e não esqueça de dar aquela passadinha  na cantina. Gente, o quê são 30 minutos para quem já está na igreja a mais de 3 horas. Além do mais, ficar um tempo com seus filhos não tem preço, tem...


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Por que Jesus não brincava?

 Por  que  não Jesus brincava?
Essa foi à pergunta feita a um pai pelo seu filho na porta de uma igreja,  um dia desses.
 Achei a indagação do pequeno muito interessante. Ela me levou a fazer também  as mesmas perguntas: Será que Jesus quando criança brincava?  Será que ele era uma criança feliz? Quais eram as brincadeiras  que bombavam na época de Jesus?
 Quando cheguei à minha casa  me propus a dar  uma rápida olhada na bíblia, nada muito profundo ou com um aspecto de pesquisa teológica, não, apenas fui buscar nos evangelhos algum resquício  ou uma passagem que me  ajudasse a responder essas perguntas.
 Fiquei decepcionado.  Pois, não achei relatos sobre as brincadeiras de Jesus com seus amigos e nem mesmo sozinho. Pensei, será que Jesus  brincava sozinho em casa sem poder sair como acontece hoje em dia, onde as crianças estão presas em casa sem poder sair, ora, por causa da violência cotidiana que atinge as ruas, ora, pela violência silenciosa das novas tecnologias que afastam e até mesmo criam um ambiente de inaptidão social em crianças. Ou seria simplesmente por que Jesus  realmente não gostava de brincadeira.
Bom, não consegui saber se Jesus brincava ou não. Porém, consegui saber a razão pela qual, aquele menino perguntou ao pai: Por que Jesus não brincava? Simplesmente por que ele ouviu o pastor dizer que Jesus não gostava de brincadeiras. Que Jesus queria crentes sérios e comprometidos com a palavra.
 A grande lição que tirei desse pequeno acontecimento, é que a imagem que alguns adultos têm construído de Jesus,  ao invés de aproximá-lo dos pequenos tem levado as crianças a se distanciar dele. Por isso, quando alguma criança perguntar se Jesus gostava de brincadeira, responda SIM.  

terça-feira, 7 de junho de 2011

Brincar ainda é o melhor negócio para a criança.



Quando Jesus falou : Deixai vir a mim as criancinhas... Ele sabia  o que estava falando, pois , as crianças tem o poder instantâneo  de achar soluções fáceis  e interessantes para tudo. 

Nesta entrevista a fonaudióloga Cyrce Andrade fala um pouco sobre o ato de brincar e educar, tendo em vista, as novas tecnologias e desafios da educação.

fonoaudióloga Quando a fonoaudióloga Cyrce Andrade começou a atender crianças em consultório, se perguntava por que os questionários inquiriam sobre tantas coisas, como saúde e alimentação, mas não tocavam no quesito brincar. "Não fazia sentido se o que a garotada mais gosta de fazer é se envolver com jogos e brincadeiras e essa é sua forma de representar e conhecer o mundo”, diz ela, que a partir dali direcionou seu trabalho e seus estudos para conhecer mais o tema. Mestre em Psicologia da Educação, ela foi responsável pela criação da brinquedoteca da comunidade da Rocinha, no Rio Janeiro, há 23 anos. Hoje, atua como assessora de projetos e formadora de educadores. Ao longo da vida, reuniu brinquedos e jogos do Brasil e de diferentes partes do mundo em uma coleção reunida em sua casa, de onde concedeu esta entrevista à NOVA ESCOLA. 
Brincar é algo que se ensina? 
CYRCE ANDRADE
 Sim, é uma aprendizagem social. Quando um bebê bate uma mão na outra, trata-se de um gesto casual. Mas, se alguém repetir o movimento, dá intencionalidade lúdica e aí, sim, ele se transforma em brincadeira. É necessário estabelecer uma relação com o outro. Mas não é só o adulto que ensina. Crianças convivem entre si e trocam experiências a respeito. 

Qual é a importância do tema na Educação Infantil? CYRCE Primeiramente, temos de pensar no brincar como algo que vai além dessa etapa. A escola precisa do brincar. E isso não porque tem crianças. A relevância da ludicidade nela se justifica porque é um ambiente onde existem seres humanos. Depois, é preciso enxergar o brincar como a maneira que os pequenos têm de produzir cultura e como a forma de expressão da infância por excelência. Caso se iniba essa linguagem, que opção restará a eles? Infelizmente, há muitas dificuldades de perceber essa produção de cultura lúdica contemporânea porque muitos adultos não conhecem várias brincadeiras ditas modernas. Não estou falando que é preciso decorar o nome de todos os personagens, mas precisamos saber que eles existem. Os educadores têm de saber do que brinca sua turma durante o fim de semana. 
Brinquedos eletrônicos estão muito presentes no cotidiano infantil. Eles são indicados para crianças pequenas? E para o acervo da escola? 
CYRCE 
Não sou defensora do sabugo de milho em oposição ao chip. Acho que um complementa o outro. Esse tipo de discussão já existiu no passado: brinquedo industrializado versus artesanal. O alvo muda, mas já vimos que as coisas se somam. Porém defendo que a escola, por ser um dos raros lugares que os pequenos têm para conviver com os colegas hoje, seja um ambiente que privilegie o brincar em grupo. Mas isso não significa proibir os eletrônicos totalmente. 

Aprender brincando” é uma expressão muito em voga. Funciona usar brinquedos para ensinar? CYRCE Acho possível. Porém isso não significa disfarçar a aprendizagem. Se estamos dentro da escola, qual o problema de ela fazer seu papel? Aprender é tão interessante quanto brincar. Não é castigo. Os educadores precisam compreender que criança gosta de aprender e se dedica ao desafio. Basta saber como conduzi-lo. Observe os pequenos com blocos de madeira. Eles nunca constroem coisas simples: tentam montagens mirabolantes, que vão cair várias vezes até dar certo. Às vezes, disfarçar algo com uma brincadeira pode ser bom para diminuir uma angústia do adulto que precisa ensinar, e, não da criança, que vai aprender. 
http://revistaescola.abril.com.br